A partir desta quinta-feira (3), Porto Alegre sedia a edição de 2016 do Cine Esquema Novo, festival que alia cinema e os diferentes campos das artes visuais. Durante uma semana, serão exibidos curtas e longas-metragens, alguns que foram destaques em Cannes, por exemplo, além de videoperformances e videoinstalações.
Cena do filme Cinema novo, longa que abre o 49º Fetival de Cinema de Brasília, nesta terça-feira (20), no Cine Brasília; mostra vai até dia 27 (Foto: Festival de Cinema de Brasília/Divulgação)
Cena do filme ‘Cinema Novo’, que será exibido no
Cine Esquema Novo (Foto: Divulgação)
Foram selecionados 44 trabalhos para a competição, sem distinção de suporte, gênero ou duração. Destes, alguns exibidos na Cinemateca Capitólio, sede oficial do evento, e outros poderão ser vistos nas galeria do Instituto Goethe e Instituto Ling e nas paredes e ruas da cidade. Há ainda oficinas e mostras paralelas.
Entre os títulos da seção competitiva estão “Cinema Novo”, de Eryk Rocha, documentário vencedor do Olho de Ouro no Festival de Cannes deste ano, e “A Moça que Dançou com o Diabo”, de João Paulo Miranda Maria, que recebeu o Prêmio Especial do Júri na competição pela Palma de Ouro no mesmo festival francês.
Ainda há títulos gaúchos como “Sesmaria”, dirigido por Gabriela Richter Lamas e vencedor de quatro prêmios no Festival de Gramado deste ano, e “Another Empty Space”, de Davi de Oliveira Pinheiro, também exibido no evento da Serra gaúcha em agosto.
Ainda inédito nas salas comerciais, o longa “Beduíno”, de Júlio Bressane e com Alessandra Negrini no elenco, encerra o CEN 2016 (confira a programação completa abaixo). Todas as exibições têm entrada franca.
Curta Sesmaria foi um dos vencedores do Festival de Gramado (Foto: Divulgação)
Curta ‘Sesmaria’ foi um dos vencedores do Festival
de Cinema de Gramado (Foto: Divulgação)
“É um espaço para a exibição de produtos audiovisuais. Sejam videoinstalações, videoperformances ou filmes, curtas e longas-metragens, pensados para a sala de cinema. São obras criadas para diferentes suportes”, diz ao G1 Ramiro Azevedo, que divide a curadoria do evento com Alisson Avila, Gustavo Spolidoro e Jaqueline Beltrame. O quarteto analisou cerca de 600 trabalhos inscritos para participar da edição de 2016 do CEN.
Segundo ele, a proposta dos curadores foi pinçar o que não é convencional na arte audiovisual e instigar o telespectador com as apresentações. “A gente acaba muitas vezes buscando obras que fujam do convencional, seja na narrativa, na estética, na produção ou na exibição. A ideia é sempre quebrar um pouco o padronizado do audiovisual, e instigar novas interpretações, novas formas de fazer e trazer para o público essa reflexão”, analisa.
“Neste ano a gente tem muitos filmes com teor político, muito por conta da conjuntura atual do país, e tem filmes que tratam de temas como a questão indíngena, por exemplo”, acrescenta o curador. “Seja na parte estética ou de conteúdo, de roteiro, a nossa ideia é tirar o pessoal da zona de conforto, deixa de ser um espectador passivo”, completa.
A Moça que Dançou com o Diabo também será exibido no CEN (Foto: Reprodução)
‘A Moça que Dançou’ com o Diabo também será
exibido no CEN (Foto: Reprodução)
A premiação da mostra competitiva será na noite de 10 de novembro, no encerramento do evento. Entre os destaques estão o Grande Prêmio Cine Esquema Novo e quatro troféus distribuídos em “categorias livres”, pelo júri formado por Eduardo Veras, Ivonete Pinto e Vicente Moreno.
“Até mesmo a premiação não é aquele mesmo formato tradicional de festivais. Há tempos a gente já faz isso. Vai ter o Grande Prêmio, para a melhor obra, digamos assim, e quatro prêmios livres, que os jurados vão escolher. Pode ser escolhida a melhor cena de luta ou o melhor plano sequência. Enfim, o tema é livre”, explica Azevedo.
CINE ESQUEMA NOVO
Quando: de 3 a 10 de novembro
Onde: Na Cinemateca Capitólio, Instituto Goethe e lnstituto Ling
Quanto: Entrada franca
PROGRAMAÇÃO
Mostra Competitiva Brasil
– Cinemateca Capitólio
Quinta, 03/11
20h – Superquadra Saci, de Cristiano Lenhardt, 20min, 2015, PE
Animal Político, de Tião, 2016, 75min, PE
Sexta, 04/11
19h – Retalho, de Hannah Serrat, 2015, 22min, MG
Ruby, de Luciano Scherer, Jorge Loureiro, Guilherme Soster, 2015, 17min, BR (RS) / URU Aqueles Anos em Dezembro, de Felipe Poroger, 2016, 18min, SP
Abigail, de Isabel Penoni e Valentina Homem, 2016, 16min, RJ / PE
O Caseiro, de Jonathas de Andrade, 2016, 7min, PE
21h – Cinema Novo, de Eryk Rocha, 2016, 92min, RJ
Sábado, 05/11
19h – Antes o Tempo não Acabava, de Sergio Andrade e Fabio Baldo, 2016, 85min, BR (AM – RJ) / ALE
21h – Horror, de Leonardo Bomfim, 2016, 23min, RS
O Estranho Caso de Ezequiel, de Guto Parente, 2016, 71min, CE
Domingo, 06/11
15h – Outubro Acabou, de Karen Akerman e Miguel Seabra Lopes, 2015, 23min, RJ
Jonas e o Circo sem Lona, de Paula Gomes, 2015, 81min, BA
17h – Temporal, de Gabriel Honzik, 2016, 13min, RS
Balada para os Mortos, de Lucas Sá, 2016, 22min, MA – RS
A Moça que Dançou com o Diabo, de João Paulo Miranda Maria, 2016, 15min, SP
Sesmaria, de Gabriela Richter Lamas, 2015, 20min, RS
19h – Rifle, de Davi Pretto, 2016, 88min, RS
21h – Woman Without Mandolin, de Fabiano Mixo, 2015, 5min, BR (RJ) / ALE
O Último Trago, de Pedro Diógenes e Pretti, 2016, 93min, CE
Segunda, 07/11
19h – Jovens Infelizes ou um Homem que Grita não é um Urso que Dança, de Thiago B. Mendonça, 2016, 127min, SP
21h30 – Receita do que fazer na iminência da falta extrema de água, de Filipe Rossato, Gabriel Pessoto, Henrique S. Ramos e João Gabriel de Queiroz, 2016, 40min, RS
(vídeo-performance. Cinemateca Capitólio, Av. Borges de Medeiros e Ponte dos Açores)
Terça, 08/11
19h – Da Janela pra Consolação, de Dellani Lima, 2016, 17min, SP
GRIN, de Roney Freitas & Isael Maxakali, 2016, 41min, SP
O Teto Sobre Nós, de Bruno Carboni, 2015, 22min, RS
21h – O Último Dia Antes de Zanzibar, de Filipe Matzembacher e Marcio Reolon, 2016, 21min, RS
A Cidade do Futuro, de Cláudio Marques e Marília Hughes, 2016, 75min, BA
Quarta, 09/11
19h – História de uma Pena, de Leonardo Mouramateus, 2005, 30min, CE
Another Empty Space, de Davi de Oliveira Pinheiro, 2015, 09min, RS
A Festa e os Cães, de Leonardo Mouramateus, 2015, 25min, CE
Sob Águas Claras e Inocentes, de Emiliano Cunha, 2016, 17min, RS
21h – Saturno em Escorpião, de Cris Ventura, 2016, 21min, MG – GO
Muito Romântico, de Melissa Dullius & Gustavo Jahn, 2016, 72min, ALE / BR
Quinta, 10/11
19h – Beduino, de Julio Bressane, 2016, 75min, RJ
21h – Cerimônia de premiação CEN 2016: Arte Audiovisual Brasileira
– Sala Exposição da Cinemateca Capitólio
das 9h às 21h
Why not be Beautiful?, de Sabrina Luna, 2015, 07min, BR (PE) / ALE
Carnívora, de Arthur Tuoto, 2016, 63min, PR
Confidente, de Karen Akerman, Miguel Seabra Lopes, 2016, 12min, RJ

– Galeria do Instituto Goethe
das 10h às 19h30 (não abre domingo, dia 6 de novembro)
Atlas, de Magda Gebhardt, 2014, 06min, BR (RS) / FRA
Para Aylan, de Jacson Dias e Maick Hannder, 2016, 04min, MG
Habitat, de Raphael Aragão, 2015, 13min, PB
– Instituto Ling
de segunda a sexta das 10h30 às 22h / sábado das 10h30 às 21h / domingo 10h30 às 20h (até quarta, dia 9 de novembro)
Na galeria
A maldição tropical, de Luisa Marques & Darks Miranda, 2016, 14min, RJ
No auditório
11h e 15h – Digitaria ex Machina, de Gabraz, 2015, 23min, BR (RJ) / COL
11h30 e 15h30 – Interlúdio, de Gabraz, 2016, 52min, RJ
12h30 e 16h30 – – Solon, de Clarissa Campolina, 2016, 16min, MG
12h50 e 16h50 – Angelus Novus, de Duo Strangloscope (Cláudia Cárdenas&Rafael Schlichting), 2016, 75min, SC
Outras informações no site oficial do CEN 2016