05. Madame Samovar

A produção de A Bela e a Fera passou semanas em Nova York fazendo audições para o filme, principalmente com atores da Broadway que, é claro, soubessem cantar. A única pessoa que não teve que fazer teste para a animação foi Angela Lansbury, que deu voz à chaleira Madame Samovar. “Foi uma oferta direta”, afirmou um dos diretores, Kirk Wise. Para escolher o restante do elenco, eles tentaram olhar para ilustrações do filme para determinar se as vozes que eles estavam ouvindo combinavam com os personagens. Falando em ilustrações, o animador-chefe de Madame Samovar, Dave Pruiksma, criou as regras para o limite de flexibilidade dos movimentos dos personagens, para que eles parecessem críveis mesmo feitos de porcelana e madeira.

04. Escolhendo a Fera

O mais difícil na escolha do elenco foi encontrar uma voz para a Fera. A produção testou todos os protagonistas da Broadway e atores de Los Angeles. Cada um que vinha para a audição ou fazia vozes rosnadas de forma animalesca ou soava muito bonito ou muito jovem. O diretor de elenco resolveu ajudar o seu amigo, Robby Benson, que já tinha alguns filmes e produções da Broadway no currículo, e deu aos diretores do filme a fita dele. Ao ouvir a fita cassete com a gravação de Benson, eles acharam o ator que estavam procurando: que tinha uma mistura de vulnerabilidade, aspereza, juventude e foi o primeiro a trazer humor para o personagem.

03. À Vontade

Lembra da música “Be our Guest” (“À Vontade”, em português), que é cantada pelos habitantes do castelo quando dão as boas-vindas para Bela? Pois bem, ela ia ser bem diferente na primeira versão do filme. Originalmente, ela seria cantada por Lumière e os demais para Maurice, o pai da Bela, e até a letra seria diferente. No meio da canção, a Fera pularia na mesa e arrastaria o homem para as masmorras. Seria uma cena bem intensa e, segundo brincou o produtor Don Hahn, “teria sido uma história estranha na qual a Fera se apaixona por Maurice”. E, acredite, ia demorar para a Bela chegar no castelo! Ainda bem que os animadores perceberam que o número musical seria melhor para a protagonista feminina, e faria com que ela aparecesse mais cedo no filme.

02. Bela bailarina

James Baxter tinha apenas 23 anos quando se tornou animador principal de Bela. Foi um risco mas ele fez algumas das escolhas icônicas para a protagonista e para o filme. Segundo ele, a parte mais intimidante é que “precisava ser bonito — está no título”. Baxter queria que Bela se movesse como uma bailarina, tivesse uma postura e a graça dos movimentos de uma dançarina. Para isso, se inspirou em uma atriz latina de novela bastante popular na época. O animador recortava imagens dela das revistas e colocava na sua mesa do trabalho. Ele também desenhou à mão a cena da dança de salão — apesar de muita gente achar que foi tudo animado por computador, os passos entre Bela e Fera foram criados pelas mãos de Baxter.

01. A cor do vestido

O vestido de Bela nem sempre foi dourado. Segundo o diretor de arte Brian McEntee, a roupa originalmente era para ser rosa, pois “o marketing queria tudo rosa e lavanda, porque é isso que toda garota gosta”. Felizmente, o animador Chris Sanders teve a ideia de fazer um vestido cor de ouro e convenceu os executivos da Disney de que uma roupa diferente daquelas usadas pelas outras princesas — Cinderela veste branco e azul, a Bela Adormecida usa rosa e azul — faria de Bela uma personagem única.